Mensagens subliminares

Saiba o que é uma men­sa­gem subli­mi­nar e ao con­trá­rio do que algu­mas fac­ções reli­gi­o­sas ditam, entenda por que a Dis­ney não deixa as cri­an­ças pro­mís­cuas com ima­gens subli­mi­na­res, a Marl­boro não quer trans­for­mar a popu­la­ção mun­dial em homos­se­xu­ais, a Xuxa não tem pacto com o tinhoso e nem o Raul Sei­xas. Bom, o Raul talvez.

Desde a cri­a­ção do “Cadê?”, as pági­nas ama­do­ras sobre men­sa­gens subli­mi­na­res tornaram-se um entre­te­ni­mento para toda a famí­lia de bem. Com cer­teza uma tia sua já con­tou aquela his­tó­ria de que “em dese­nhos da Dis­ney exis­tem men­sa­gens per­ver­ti­das, malé­vo­las e GAYS”. Já can­sei de ouvir isso em reu­niões de adul­tos e desde cri­ança achava o assunto tri­vi­al­mente imbe­cil para ser levado a sério e deba­tido. Hoje, no entanto, acon­te­ceu comigo a com­bus­tão que pre­ci­sava para desa­ba­far sobre o assunto.

Não entra­rei em mai­o­res deta­lhes, sai­bam ape­nas que hoje vi um semi­ná­rio sobre men­sa­gens subli­mi­na­res e fiquei per­plexo com a impar­ci­a­li­dade das boas moças cató­li­cas que o apre­sen­ta­ram. Ao invés de se ate­rem aos efei­tos cien­ti­fi­ca­mente estu­da­dos das cores do McDo­nald sobre o ins­cons­ci­ente ou sobre as estra­té­gias de mar­ke­ting com mulhe­res gos­to­sas nas pro­pa­gan­das de cer­veja — o que fize­ram? — des­car­re­ga­ram o car­tu­cho todo em músi­cas toca­das ao con­trá­rio com letras satâ­ni­cas, hoa­xes sobre dese­nhos ani­ma­dos do mal e o mape­a­mento pra lá de cri­a­tivo de cons­te­la­ções dia­bó­li­cas em logo­ti­pos famosos.

O padre exci­tado de “A Pequena Sereia”

As meni­nas foram enfá­ti­cas: é evi­dente a segunda inten­ção da Dis­ney neste qua­dro. Olhem como este dese­nho imundo retrata a pureza do casa­mento, dese­nhando um padre cla­ra­mente exci­tado e com mem­bro ereto diante do casal.

Con­tudo, os sites des­ti­na­dos a “escla­re­cer as pes­soas sobre os sor­ti­lé­gios do mal” não reve­lam as cenas den­tro do con­texto, onde é pos­sí­vel notar que a tal pro­tu­be­rân­cia indes­cente em ques­tão são ape­nas os joe­lhos do bom padre. Estes mes­mos sites ainda são toma­dos hoje em dia como fon­tes con­fiá­veis de infor­ma­ção para semi­ná­rios aca­dê­mi­cos. Isso sim é uma imundice.

Marl­boro foi feito para exe­cu­ti­vos gays

Sur­giu a hipó­tese de que o design dos maços de cigarro Marl­boro foi cui­da­do­sa­mente cri­ado para criar uma legião de homos­se­xu­ais tara­dos e… exe­cu­ti­vos. Em pri­meiro lugar, dizem que o polí­gono ver­me­lho no topo repre­senta lite­ral­mente as náde­gas assa­das de quem fica muito tempo sen­tado, seja no escri­tó­rio, no trân­sito ou qual­quer outro lugar — isso seria um cha­ma­tivo para os exe­cu­ti­vos. Em segundo lugar, as letras L e B são mai­o­res na pala­vra para repre­sen­ta­rem um sím­bolo fálico, um órgão repro­du­tor mas­cu­lino em riste para, final­mente, esque­ma­ti­zar o dese­nho de um homen­zi­nho excitado.

Vamos aos fatos: por que a maior marca de cigar­ros do mundo iria limi­tar seu mer­cado con­su­mi­dor, con­fi­nando a tal men­sa­gem subli­mi­nar ao res­trito grupo dos exe­cu­ti­vos homos­se­xu­ais quando eles pode­riam ganhar o mundo com algo mais abran­gente? Depois, CARAMBA… como podem enxer­gar um homem exci­tado em uma palavra?!

O cas­telo sexual

Pro­cu­rar por mem­bros sexu­ais mas­cu­li­nos em figu­ras ao acaso é uma ciên­cia e arte. A cri­a­ti­vi­dade deve ser agu­çada e seus olhos devem enxer­gar mais sor­ra­tei­ras estra­té­gias daque­les que dese­jam trans­for­mar nos­sas cri­an­ças em uma legião de cãe­zi­nhos tarados.

O pênis é um sím­bolo com sig­ni­fi­cado que surge depois que ini­ci­a­mos nossa vida sexual. Vamos supor, sim, que esta ima­gem acima fique estam­pada no incons­ci­ente das cri­an­ças; o que sig­ni­fi­ca­ria um sím­bolo des­ses para elas? Abso­lu­ta­mente nada. Uma “men­sa­gem subli­mi­nar” desse tipo não teria o menor impacto a um sim­pá­tico e purís­simo pir­ra­lho, que nunca viu e não faz nem idéia do que isso seja, nem para que serve e tam­pouco por que esse negó­cio com­prido é con­si­de­rado um tabú na cul­tura oci­den­tal. Além disso, se você pen­sar bem é pos­sí­vel ver padrões sexu­ais em qual­quer tipo de imagem.


(voz do Sal­si­cha) “Minha nossa, Sco­oby… que é isso na sua boca?”

Eu mesmo fiz um teste com o meu caderno, que tem uma capa cheia de folhas de outono caindo pela frente das árvo­res, e repa­rei que existe um homen­zi­nho exci­tado com cha­péu de mine­ra­dor. É como aquela his­tó­ria sobre exis­tir códi­gos pro­fé­ti­cos na Bíblia em linhas ver­ti­cais, hori­zon­tais, dia­go­nais ou em degrau. Um mate­má­tico então demons­trou que seria pos­sí­vel, atra­vés desse método, extrair pro­fe­cias como a morte de Ken­nedy ou o resul­tado da Copa de 2002 até mesmo do livro “Moby Dick”.

Ges­tos satâ­ni­cos do Homem Aranha

A men­sa­gem deixa de se enqua­drar como subli­mi­nar e torna-se bem clara: o Homem Ara­nha, ime­di­a­ta­mente antes de sol­tar teias pelas mãos, faz o sím­bolo satâ­nico que é asso­ci­ado tam­bém ao heavy metal. Este gesto faz com que as cri­an­ças a cres­çam revol­ta­das e con­tra o sistema.

Se me pedis­sem uma opi­nião, este é um dos casos onde a men­sa­gem subli­mi­nar causa efei­tos posi­ti­vos. Ê, Peter Par­ker, hein. Só levando a garo­tada pros cami­nhos do metal e subversão.

Rei Leão te ordena a matar e fazer sexo

Eis o texto reti­rado da pró­pria fonte, cujo nome e link não mos­tra­rei a fim de dar-lhes o gosto da fama: “(…) uma cri­ança disse à sua mãe que cor­tava carne na pia: «mãe eu quero sua faca». A mãe per­gun­tou para que? A cri­ança res­pon­deu: «Eu quero matar você. O Rei Leão disse que eu posso matar você!»” — E o que mais? Nada. Sem fonte, nomes, local, sim­ples­mente um boato jogado ao ar se trans­forma em uma prova ima­cu­lada. Faço ainda uma res­salva curi­osa: uma das garo­tas que apre­sen­tou o semi­ná­rio ao qual assisti disse: “Em um encon­tro da igreja que par­ti­cipo, ouvi isso de uma mulher de lá! Ela disse que o menino dela pediu a faca pra mão para matar, por­que o Rei Leão tinha dito isso a ele. Eu ouvi!”. No entanto, des­co­bri que essa his­tó­ria já é antiga e defi­ni­ti­va­mente não saiu da igreja da moça, mas, sim, de um jor­nal hipo­té­tico sobre uma famí­lia ame­ri­cana hipo­té­tica em um site sobre men­sa­gens subli­mi­na­res bas­tante famoso. “Men­tira tem perna curta”, hã.

Outra idéia infame é a de que a pala­vra “SEX” (sexo) surge em uma cena famosa do mesmo desenho.

Embora essa forma ambí­gua possa repre­sen­tar um milhão de coi­sas, nin­guém cogi­tou a hipó­tese de estar escrito “SFX” (efei­tos espe­ci­ais), uma piada zom­be­teira da equipe que dese­nhou aquele efeito. Fico sur­preso em saber que nin­guém diz ter enxer­gado um mem­bro sexual subli­nhado ali no meio. E mesmo que esti­vesse escrito “SEXO”, qual seria o efeito na mente juve­nil? Basta ima­gi­nar um adulto sim­ples­mente reci­tando essa pala­vra a uma cri­ança, tirada do nada.. Ela res­pon­de­ria com um rosto em forma de inter­ro­ga­ção bem grande.

Qual a con­clu­são sobre essas men­sa­gens subli­mi­na­res? Desde sem­pre o homem nunca quis assu­mir os pró­prios erros. Começa logo cedo no jar­dim da infân­cia, quando o pir­ra­lho fol­gado que pas­sou o dia assis­tindo dese­nho ani­mado esquece de levar a lição de casa do dia para a escola — aí ele joga a res­pon­sa­bi­li­dade em algo sobre­na­tu­ral e diz que a boneca da Xuxa que estava ali no canto comeu o car­ri­nho de mas­si­nha que ele mode­lou. Este tipo de com­por­ta­mento faz parte de uma miríade de outras táti­cas estu­das em psi­co­lo­gia. É um assunto assaz inte­res­sante, todas tra­tando a “covar­dia” humana da mesma maneira.

Que tal, tal­vez o mundo seja injusto por culpa dos Illu­mi­nati. Quem sabe não são os comu­nis­tas escon­di­dos na Antár­tida que estão inje­tando car­bono na atmos­fera para aque­cer o pla­neta, aque­les ver­me­lhos pede­ras­tas? Ou ainda, que­rem dei­xar nos­sas cri­an­ças pro­mís­cuas para dis­trair as auto­ri­da­des enquanto Darth Vader assume o comando da galáxia…


Se você der­ra­mar nan­quim sobre o logo da Coca-Cola, dobrar em 4 e espe­lhar, sur­girá a ima­gem de Darth Vader.

A huma­ni­dade tem a ten­dên­cia ins­tin­tiva de pas­sar a culpa de alguma coisa ruim para uma força fan­tás­tica, mís­tica e incon­tro­lá­vel, além de qual­quer res­pon­sa­bi­li­dade e alcance do cida­dão comum. Seria bom que as pes­soas paras­sem para pen­sar, admi­tir que são elas as res­pon­sá­veis pelo que acon­tece aqui no mundo real e arre­ga­çar as man­gas para fazer deste pla­neta um lugar mais bacana, ao invés de espe­rar que tudo se resolva sozi­nho, a par­tir do momento em que for­ças malíg­nas sexu­ais ema­na­das por dese­nhis­tas tara­dos parem de agir.