Segundo a tradição suméria, um homem não é completo enquanto a) não tiver lutado contra uma quimera adulta, b) não tiver trocado o pneu da própria biga de combate, c) não tiver espalhado boatos sobre Nibiru para os acadianos, aqueles bobos, e d) não tiver possuído um cão — favor entender literalmente.

Pois bem, acabo de completar ontem o último estágio do rito de passagem sumério para a fase adulta, o estágio “dê”. Ganhamos aqui em casa um filhotinho de Boiadeiro Australiano vermelho (Australian Cattle Dog — Red Heeler). O “dê” se diferencia dos itens “á”, “bê” e “cê” por exigir flexibilidade moral, mojo e reflexos rápidos para disputar com seus familiares como o animal se chamará.

Em toda a minha vida, raramente tive voz quando o assunto é dar nome a coisas da família. Nomes de personagens de RPG, assim como divindades gregas, eslavas e babilônicas, aparentemente são menosprezados como denominação para cachorrinhos. É aqui que o mojo entra em ação. Exemplo: Cafetron, quase sem forças, mas com sua última carta na manga, sugere então humildemente que a cadela seja chamada de Maya. Maya! Um nome legal e fácil, pensam todos — “Viu como não é difícil escolher um nome normal para um cachorro?”. Mal sabem eles que Maya é a Deusa da Escuridão na cultura hindu.


Conheçam Maya.


Maya sendo apresentada ao seu mais novo brinquedo amigo: Tristão.

Contudo, como vocês puderam perceber, o bichinho ainda é muito novo e deve sentir falta da mãe. Quando passa da meia-noite, o bicho chora tijolos de medo e ninguém sabe ao certo o que fazer. A noite passada, na qual ela dormiu no meu quarto, me rendeu apenas 2 horas de sono contínuo.

[Idéia] Para fazê-la dormir, bolei uma playlist que talvez funcione para outros cães (aqui funcionou até que razoavelmente, para um pokemon elétrico). Se você também tem um cachorrinho ou qualquer outro animalzinho, até mesmo um filho, consiga as músicas a seguir, teste-as, se necessário, e me diga se funcionou. Dei preferência para ritmos lentos sem muitas batidas (segundo alguns treinadores, por exemplo, jazz = injeção de Red Bull). Escolhi a maioria das peças cujo instrumento principal é o piano, pois cães adoram os sons altos e baixos alternados.

  1. Franz Liszt – Rhapsodie Hongroise Nº 1
  2. Tchaikovsky – The seasons op. 37A: 6. June “Barcarolle”
  3. Schumann – Album for the young op. 68, Nº 13 in E major
  4. Mendelssohn – Songs without words, book V, op. 62 Nº 25 in G major “May Breezes”
  5. Bach – Cantata BWV 208 (Was mir behagt, ist nur die muntre Jagd)
  6. Debussy – Danses sacree et profane
  7. Chopin – Waltez op. 69 Nº 9 in A flat major op. 69/1 “Valse de L’adieu”
  8. Mozart – Ave verum corpus K 618 (Motet)
  9. Greig – Lyric pieces op. 43: 5: Erotic
  10. Bach – BWV 1735 in F major – Andante
  11. Bach – Suite Nº 4 in E flat major – Prelude
  12. Bach – Sonata Nº 1 in A minor, BWV 1001 – Adagio & Fuga
  13. (compositor que desconheço) – Romance para violão, “Jeux interdits”
  14. Vivaldi – Concerto for Diverse Instruments in C Major, RV 558 II. Andante molto
  15. Vivaldi – Concerto for Oboe in D minor, RV 454 II. Largo
  16. Bach – Well-tempered Clavier 1 – Prelude & Fugue Nº 1 – C major
  17. Debussy – Sonata for Flute, Viola and Harp, 1915

Outra opção que pareceu funcionar bastante e se mostra relativamente mais simples de pôr em prática são as compilações do Kazuhito Yamashita tocando Bach no violão diabolicamente. Se você ainda não conhece o Jaspion do violão, assita-o.

[Link para o YouTube]